Ed. New York Square Av. 136, 797

Ala B - Cj. 1105 – Setor Sul Goiânia - GO

Análise de Caso – Rinoplastia Extracorpórea

Por vezes, é necessário lançar mão de técnicas diferentes para alcançar resultados desejados.

Continue a leitura desse artigo e entenda como é realizada uma Rinosseptoplastia Extracorpórea.

 

RINOPLASTIA EXTRACORPÓREA

 

Essa é uma técnica utilizada, principalmente, em narizes que apresentam desvio de septo anteriores e que obstruem a válvula nasal. Nesse tipo de procedimento, a tortuosidade nasal pode ser corrigida com uma porção retilínea do próprio septo que é retirado, moldado e reinserido no nariz, alterando o seu formato inicial.

 

É importante lembrar que a Rinosseptoplastia Extracorpórea só é possível quando o septo se mostra resistente e viável para o procedimento, caso contrário, o cirurgião utilizaria os enxertos à distância, para que a alteração do formato nasal seja realizada.

 

Confira abaixo um caso real atendido em consultório para fins informativos.

 

A AVALIAÇÃO DA PACIENTE

 

A paciente foi avaliada de acordo com os protocolos indicados para a primeira consulta.

Queixa principal: nariz levemente torto à olho nu, ponta bulbosa e base larga.

 

Pelos exames de imagem, foi possível confirmar o desvio na porção caudal do septo, bem próximo da ponta nasal. Dentro do planejamento, estava prevista a utilização da costela para que o formato nasal pudesse ser alterado, se o septo não estivesse em boas condições para ser utilizado nessa alteração.

 

A CIRURGIA

 

Tipo de rinoplastia: rinosseptoplastia primária para correção de tortuosidade, refinamento e correção de ponta nasal.

 

Tempo de cirurgia: Quatro horas.

Tipo de anestesia: Geral

Manejos utilizados:

  • Osteotomia para refinamento de dorso, feita com Piezotome.
  • Remoção do septo que, por sua vez, foi remodelado e reimplantado
  • Suturas, para reconstrução do dorso e refinamento da ponta nasal

 

É importante dizer que a técnica da Rinosseptoplastia Extracorpórea é utilizada em casos muito específicos. O septo precisa ser resistente e de um tamanho considerável para que haja possibilidade de remodelação, levando em consideração o resultado esperado.

Trata-se de uma técnica complexa, que exige experiência e habilidade do cirurgião.

 

EVOLUÇÃO E RESULTADO

O nariz da paciente já se mostrou bem remodelado no pós-operatório imediato. A paciente teve alta no mesmo dia e segue com o pós-operatório em casa, sem intercorrências ou maiores incômodos, justamente porque não houve a necessidade de se abrir um novo sítio cirúrgico para a retirada de enxertos à distância.

 

ATENÇÃO!

Os casos relatados nessa série de artigos são ilustrativos, com o intuito de facilitar o entendimento das técnicas utilizadas, buscando o resultado pretendido.

É importante dizer que cada caso é único, assim como a rinoplastia realizada e a evolução pós-operatória, dependendo, principalmente, do organismo de cada paciente.

 

Saiba como encontrar um bom cirurgião .

 

Dr. Ricardo Ferri – Otorrinolaringologista e Rinoplastia – CRMGO 9674 / RQE 4573

www.instagram.com/dr.ricardoferri

Compartilhe:

Dr Ferri

“A arte da rinoplastia não recai unicamente na maestria da técnica, mas também, e sobretudo, na habilidade de compreender os objetivos e as motivações de cada paciente.” – Dr. Ricardo Ferri

Saiba mais

Leia sobre

Assine nossa newsletter

    Receba novidades sobre o segmento e seja notificado sobre novidades. Não se preocupe, não enviaremos nenhum Spam.

    Entre em contato








      ricardoferri@ricardoferri.com.br

       

      +55 11 62 3924 1300     +55 11 9 8179 2388

       

      Ed. New York Square Av. 136, 797 – Ala B – Cj.

      1105 – Setor Sul Goiânia – GO – CEP 74093-250

      Copyright 2021 - DR Ricardo Ferri – Todos os direitos reservados