Ed. New York Square Av. 136, 797

Ala B - Cj. 1105 – Setor Sul Goiânia - GO

Enxertos na Rinoplastia – como são avaliados?

 

 

 

Em 82% das rinoplastias realizadas os enxertos são necessários. Seja para melhorar formato ou para auxiliar na sustentação, pequenos pedaços de cartilagem são retirados do próprio paciente e permitem que a aparência e a funcionalidade desejadas sejam alcançadas.

 

Continue a leitura desse artigo e saiba como:

– É decidido o uso do enxerto e de onde será retirado

– O enxerto é preparado para sua utilização

 

 

USO DO ENXERTO

 

Ainda que não haja necessidade de aumento do formato ou da estrutura nasal, os enxertos têm sido úteis para a sustentação da ponta nasal.

 

São utilizadas cartilagens de outras partes do corpo que podem ser retiradas do próprio septo nasal, da orelha e da costela, dependendo da necessidade intraoperatória.

 

Sempre que possível, o ideal é utilizar a cartilagem do septo nasal, já que ela se assemelha à qualidade da estrutura e não torna novas incisões necessárias, durante a cirurgia.

No entanto, em alguns casos, a cartilagem septal não é suficiente e, por esse motivo, o cirurgião recorre aos enxertos à distância, retirando a porção de tecido necessária da parte de trás da orelha ou da costela.

 

A utilização do enxerto e de sua fonte pode ser prevista na consulta de avaliação, mas é no momento da cirurgia que a tomada de decisão acontece. Isso porque o cirurgião precisa ter o acesso e a visão total à estrutura nasal para definir o que é, de fato, necessário para a realização do procedimento.

 

Geralmente, a cartilagens são utilizadas da seguinte forma:

Cartilagem septal –  utilizada na ponta, no dorso e na columela.

Cartilagem auricular – pode ser aproveitada nas asas nasais, no dorso e na ponta nasal.

Cartilagem costal – utilizada quando os enxertos das outras fontes não são suficientes para a devida estruturação nasal, o que ocorre com frequência em rinoplastias secundárias, quando há desvio de septo e quando há necessidade de grande elevação dorso nasal – acima de 5mm de aumento.

 

Para que sejam utilizados, os enxertos precisam passar por uma avaliação e preparo adequado, durante a cirurgia.

 

AVALIAÇÃO E PREPARAÇÃO

 

Um enxerto precisa ser resistente e apresentar baixa taxa de reabsorção, infecção e deformação.

Assim que o enxerto é retirado, ele é avaliado e esculpido com o bisturi. O cirurgião “recorta” o enxerto, de acordo com a necessidade da rinoplastia.

 

A cartilagem de costela, depois de esculpida, é colocada em solução fisiológica por até 30 minutos, para avaliar possíveis deformações precoces, alguma tortuosidade, por exemplo. Se as deformidades se apresentam, o enxerto poderá ser utilizado de outra maneira e uma nova porção de tecido cartilaginoso é retirada e avaliada, para seguir com o procedimento.

 

É importante ressaltar que cabe ao cirurgião a decisão da quantidade, tipo e fonte dos enxertos a serem colocados para a busca do resultado pretendido. Em todos os casos, o paciente precisa estar ciente de que o cirurgião fará uma decisão intraoperatória.

Discuta com seu médico quais são as opções disponíveis para o seu caso e quais são os planos para a cirurgia.

 

Saiba como encontrar um bom cirurgião, clicando aqui.

 

Dr. Ricardo Ferri – Otorrinolaringologista e Rinoplastia – CRMGO 9674 / RQE 4573

www.instagram.com/dr.ricardoferri

Compartilhe:

Dr Ferri

“A arte da rinoplastia não recai unicamente na maestria da técnica, mas também, e sobretudo, na habilidade de compreender os objetivos e as motivações de cada paciente.” – Dr. Ricardo Ferri

Saiba mais

Leia sobre

Assine nossa newsletter

    Receba novidades sobre o segmento e seja notificado sobre novidades. Não se preocupe, não enviaremos nenhum Spam.

    Entre em contato








      ricardoferri@ricardoferri.com.br

       

      +55 11 62 3924 1300     +55 11 9 8179 2388

       

      Ed. New York Square Av. 136, 797 – Ala B – Cj.

      1105 – Setor Sul Goiânia – GO – CEP 74093-250

      Copyright 2022 - DR Ricardo Ferri – Todos os direitos reservados